Pular para o conteúdo principal

UM PROJETO RICO EM CONHECIMENTOS


O projeto “Confluências Culturais – Imigração Japonesa na Amazônia” fará o relançamento do livro “Japanamazônia – Confluências Culturais”, no dia 30 de outubro em Santarém, e no dia 6 de novembro em Monte Alegre, ambos municípios do oeste paraense. A obra foi idealizada pela coordenadora do projeto, a japonesa naturalizada brasileira Makiko Akao, que reuniu textos de vários autores e lançou o livro primeiramente em Tomé-Açú, no nordeste do estado. Na ocasião, haverá ainda exposição fotográfica que mostra o cotidiano do povo japonês na Amazônia, com imagens de Paula Sampaio, Miguel Chikaoka e Alberto Bitar.
A obra retrata como um povo tão distinto do brasileiro, como é o povo japonês, mantém seus hábitos, e de que forma a cultura oriental coexiste com a ocidental em plena Amazônia brasileira. A autora é japonesa, mas mora no Brasil desde criança e se naturalizou. A publicação tem textos em português e japonês, além das fotografias – que serão expostas no mesmo evento - retratando o dia a dia nos principais municípios do Pará onde existe número representativo de descendentes.
O livro foi originalmente lançado em 2010, durante as comemorações dos 80 anos da imigração japonesa na Amazônia. A itinerância pelas cidades paraenses foi viabilizada pelo projeto “Confluências Culturais – Imigração Japonesa na Amazônia”, contemplado no Edital do Fundo Nacional de Cultura 2013, do Ministério da Cultura.
A ideia é voltar para onde o projeto passou em sua fase inicial e mostrar às famílias o resultado final, disponibilizando a publicação nas colônias japonesas do estado e com a mostra de 25 imagens. O livro também será doado para instituições culturais e de educação.
“Nessas localidades tenho recordações da minha infância. A minha família foi primeiro para Belterra e depois para Monte Alegre, então, é um pouco essa busca da memória também. Hoje estou totalmente integrada à cultura local, no entanto tenho a raiz japonesa, talvez isso tenha facilitado a identificação dessas confluências culturais japonesa e amazônida que existem. E para comemorar a imigração, na época os 80 anos, pensei em mostrar através de imagens dos três fotógrafos convidados esse registro de confluências, que sutilmente se mostra no meio do cotidiano do nossos dias de hoje”, diz Makiko Akao.
Histórias
A jornalista e historiadora Rose Silveira escreveu sobre o ofício dos fotógrafos na busca pelo registro do cotidiano das famílias japonesas no Pará. No oeste do estado, Alberto Bitar foi o enviado e encontrou representantes dos Ueno, Kishi, Otake e Okada. Rose revela a surpresa de Bitar ao encontrar não uma resistente reminiscência da tradição japonesa, mas hábitos já dissolvidos e interconectados.
“Ele esperava encontrar muitas evidências em uma região referencial para a imigração, mas notou o contrário: a diluição e perda desses marcos. Se não estivesse procurando, não teria encontrado, imagina. Mas o olhar, desafiado, mergulhou nesses microuniversos, elaborando um repertório de visualidades e fazendo de sua fotografia a escrita de um certo orientalismo – os claros-escuros da paisagem, a apreensão do movimento, do tempo”, escreve a autora.

O quê: Projeto “Confluências Culturais – Imigração Japonesa na Amazônia” - Relançamento do livro “Japanamazônia – Confluências Culturais” e exposição fotográfica com imagens de Paula Sampaio, Miguel Chikaoka e Alberto Bitar
Quando e onde: 30 de outubro no Sesc Santarém (Rua Floriano Peixoto, 535 – Centro), e 6 de novembro em Monte Alegre, na Estação Hidroviária do município.
Quanto: A entrada é gratuita. A publicação está à venda em Belém, a R$ 50
Programação
Santarém
Dia 30/10, às 19h
Local: Sesc Santarém – Rua Floriano Peixoto, 535 – Centro
Apoio: Serviço Social do Comércio – Santarém
Monte Alegre
Dia 6/11, às 18h
Local: Estação Hidroviária de Monte Alegre
Apoio: Prefeitura de Monte Alegre

FONTE: G1 SANTAREM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Tarubá?

Urina humana é usada para confeccionar cuias.

Já falamos sobre o tacacá mais uma coisa que não se pode esquecer é  da cuia sem ela o tacacá não é o mesmo mas a pergunta é você como ela é feita? Seu processo é meio estranho leva ate urina humana para entender melhor vamos ver como ela é feita.


A cuia vem da cuieira ela é mais encontrada na Amazônia as cuias são confeccionadas mais pelas mulheres os homens apenas pegam o fruto  e um outro material conhecido como cumati esse cumati é a casca de uma árvore ela serve para tingir as cuia e assim deixa-la na cor preta. vamos ver agora as etapas dessa confecção.




1ª etapa  Após a retirada do fruto as  mulheres retiram uma massa de dentro dela algumas pessoas dizem que essa massa é boa para bronquite e asma.
2ª Agora vem o processo de lixamento e você  não imagina o que elas as mulheres usam uma lata de sardinha.
3ª É nessa terceira etapa que as cuias ganham a tintura preta. Para a casca soltar a tinta eles utilizam água e ficam pressionando até sair o líquido escuro.
4ª Depois de  todo esse proc…

Como é feita a farinha de madioca