Pular para o conteúdo principal

CARIMBÓ DO PARÁ PARA O MUNDO

 

 O carimbó acaba de se tornar Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. O registro foi aprovado por unanimidade nesta quinta-feira (11/9), em Brasília, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, formado por representantes da União e da sociedade civil. Criado no século XVII por negros africanos do nordeste do Pará e com influências indígena e ibérica, o carimbó é uma das mais tradicionais expressões culturais do estado do Pará e da região amazônica brasileira.

O registro do carimbó foi comemorado em ato público realizado nesta manhã em Belém do Pará, com a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy. "Quando se tem uma expressão cultural deste porte e não há a chancela do Estado, ela tende a desaparecer ao longo dos anos", afirmou a ministra. "Com o reconhecimento do Estado, o carimbó passa a ser perene, é patrimônio brasileiro", observou.

Marta Suplicy – que foi recebida no ato comemorativo por dançarinas e grupos de carimbó – adiantou que o Brasil pretende trabalhar para que o carimbó seja registrado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como patrimônio imaterial mundial. "A chancela nacional é voltada à preservação, e a da Unesco, a uma maior visibilidade internacional, o que é muito importante para a atração de turistas", destacou a ministra.

A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado, destacou que o Estado é agora um parceiro na manutenção e na vitalidade do carimbó. "A gente já sabe que ele é muito vivo, que a alegria e a riqueza da prática são contagiantes por si só, que o carimbó seria capaz de se manter por mais um século, como vem fazendo até então. Mas a responsabilidade do Estado é com certeza um fator a mais desse nosso compromisso", afirmou. "Esse registro beneficia, sobretudo, o Brasil, que pode se reconhecer, em seu amplo território, em valores culturais que representam a unidade do país", ressaltou.
O pedido de registro do carimbó como patrimônio imaterial do Brasil foi apresentado pela Irmandade de Carimbó de São Benedito, pela Associação Cultural Japiim, pela Associação Cultural Raízes da Terra e pela Associação Cultural Uirapurú. Entre os anos de 2008 e 2013, o Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan e a Superintendência do Iphan no Pará conduziram o processo de registro e realizaram pesquisas para a Identificação do carimbó em diversas localidades do estado.

O resultado final da pesquisa foi consolidado no Dossiê Carimbó, que tem o objetivo de ser uma referência documental do carimbó no Pará. Durante 40 dias, o documento esteve disponível para consulta popular no site do Iphan. As sugestões recebidas, após avaliação, foram integradas ao texto final.

Pau que produz som – Apesar de a manifestação cultural ter se originado entre os escravos, o nome carimbó tem origem indígena. Vem do tupi korimbó (pau que produz som), junção de curi (pau oco) e m'bó (furado, escavado). Os primeiros carimbós – ou curimbós – eram feitos de madeira oca e cobertos, em uma das extremidades, por couro de veado. Com o tempo, carimbó passou a referir-se não apenas aos tambores, mas também à dança associada ao ritmo produzido pela percussão.

Hoje, a expressão carimbó é utilizada majoritariamente como referência à expressão que envolve festa, música e coreografia características e tradicionalmente reproduzidas no nordeste paraense. Os temas das canções, em geral, são alusivos a elementos da fauna e da flora da região, ao dia a dia do trabalho e às práticas cotidianas.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Com informações do Iphan

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROGRAMAÇÃO OFICIAL DO SAIRÉ 2017

16/09 - Sábado 5h - Alvorada (Vila de Alter do Chão)8h - Procissão Fluvial | Busca dos Mastros (Lago Verde)22h - Festa dos Mastros – Banda Tapajoara (Centro Comunitário da Vila de Alter do Chão) 21/09 (Quinta e Sexta-feira) 5h - Alvorada (Vila de Alter do Chão)7h - Benção do Sairé (Praça do Sairé)8h - Traslado dos Mastros da Praia do Cajueiro à Praça do Sairé (Vila de Alter do Chão)

Urina humana é usada para confeccionar cuias.

Já falamos sobre o tacacá mais uma coisa que não se pode esquecer é  da cuia sem ela o tacacá não é o mesmo mas a pergunta é você como ela é feita? Seu processo é meio estranho leva ate urina humana para entender melhor vamos ver como ela é feita.


A cuia vem da cuieira ela é mais encontrada na Amazônia as cuias são confeccionadas mais pelas mulheres os homens apenas pegam o fruto  e um outro material conhecido como cumati esse cumati é a casca de uma árvore ela serve para tingir as cuia e assim deixa-la na cor preta. vamos ver agora as etapas dessa confecção.




1ª etapa  Após a retirada do fruto as  mulheres retiram uma massa de dentro dela algumas pessoas dizem que essa massa é boa para bronquite e asma.
2ª Agora vem o processo de lixamento e você  não imagina o que elas as mulheres usam uma lata de sardinha.
3ª É nessa terceira etapa que as cuias ganham a tintura preta. Para a casca soltar a tinta eles utilizam água e ficam pressionando até sair o líquido escuro.
4ª Depois de  todo esse proc…

O que é Tarubá?